sábado, 28
 de 
maio
 de 
2022

Mesmo aprovado pelo STF, décimo para vereadores é rejeitado pela população

Câmara de Mandirituba aprovou o décimo terceiro salário, sendo a única até o momento a efetivar esta medida na região. Foto: DivulgaçãoEm muitos municípios brasileiros o pagamento do décimo terceiro salário para agentes políticos é debatido. Na maioria dos casos, executivo e legislativo defendem o pagamento, e há situações onde órgãos de fiscalização e controle proibiram a remuneração extra de final de ano. Em Curitiba, por exemplo, a câmara de vereadores votou projeto de lei e aprovou o décimo terceiro no início de 2013, mas o Tribunal de Contas vetou o pagamento. Até hoje, os legisladores da capital não recebem o recurso.

Neste ano, porém, uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela constitucionalidade do pagamento do abono de férias e 13º salário a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. A decisão se deu após recurso extraordinário interposto pelo município gaúcho de Alecrim, contra acórdão doTribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) que julgou inconstitucional lei municipal que previa o pagamento de verba de representação, terço de férias e 13º aos agentes políticos.

Nesta semana, a câmara de vereadores de Mandirituba, baseada na decisão do STF, aprovou a criação do 13º salário para os legisladores do município. E foi além, possibilitando o pagamento retroativo para a legislatura anterior.

Na região, das dez cidades consultadas pela reportagem de O Regional, nenhuma câmara de vereador paga a remuneração extra. Ou seja, Mandirituba vai na contra-mão dos demais legislativos locais.

Uma consulta feita nesta semana por O Regional nas redes sociais sobre o 13º salário para agentes políticos deixa claro que a população é contrária ao pagamento. Das manifestações postadas pelos leitores, há quase que unanimidade na contrariedade ao pagamento do décimo como foi pleiteado pelos vereadores de Mandirituba. O jovem Patrick Zanqueta Pacheco escreveu que vereador não é uma profissão e não deveria ser usado como fonte de renda. Já Ana Carolina Pires relatou que é contrária ao décimo e que a função deveria ser exercida de forma voluntária. A leitora Katya Carvalho escreveu que o pagamento teria sentido se ficasse comprovado o cumprimento diário de 8 horas de trabalho. E Anselmo Santos Lima defende o pagamento apenas para o prefeito e presidente da câmara que, segundo ele, trabalham normalmente todos os dias.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email