segunda-feira, 26
 de 
fevereiro
 de 
2024

Leis aprovadas pela Assembleia buscam fomentar o turismo paranaense

Leis aprovadas pela casa contemplam o desenvolvimento do turismo em diversas cidades do Paraná. Foto: Ari Dias AEN
Leis aprovadas pela casa contemplam o desenvolvimento do turismo em diversas cidades do Paraná. Foto: Ari Dias AEN
Proposições, além de criarem roteiros turísticos para os visitantes, querem contribuir com a preservação de patrimônios naturais e culturais

A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou, nos últimos anos, uma série de leis para estimular diferentes formas de turismo no Estado, contemplando aqueles que preferem o turismo religioso ou os que curtem mais o esporte, e também abrangendo o turismo ecológico ou de aventura.

Segundo os parlamentares, além de criar roteiros turísticos para os visitantes, as proposições buscam contribuir com a preservação de patrimônios naturais e culturais, favorecendo ainda o desenvolvimento das produções e a movimentação da economia dos municípios.

Apenas nas legislaturas recentes, foram aprovadas várias leis para estimular a visitação em diversas regiões paranaenses. Uma delas é a lei estadual 21.433/2023, que visa incentivar o turismo em 11 municípios que concentram a maior parte dos imigrantes nipônicos no Estado. A iniciativa, de autoria de diversos parlamentares, instituiu o Roteiro Turístico da Imigração Japonesa no Paraná, contemplando as cidades de Curitiba, Maringá, Londrina, Uraí, Assaí, Rolândia, Paranaguá, Cambará, Apucarana, Paranavaí e Terra Boa, e reconhecendo também a importância do movimento imigratório japonês para o Estado do Paraná.

Outra exemplo é a lei 21.372/2023 cria a Rota Turística da Lavanda, integrada por todos os municípios produtores da planta. O objetivo é promover e a divulgar as cidades, assim como seus atrativos, visando potencializar o desenvolvimento socioeconômico regional do Estado, e fortalecer, ampliar e o desenvolver a atividade nos municípios de Palmeira, Toledo, Londrina, Umuarama e Carambeí, que compõe o roteiro.

Por meio da lei 19.721/2018, foi criada a Rota Turística das Praias Fluviais do Noroeste do Estado do Paraná, formada por 12 cidades, visando a preservação do patrimônio natural e dos recursos hídricos, promovendo a educação ambiental e desenvolvendo o ecoturismo na região.

Para os amantes do tiro esportivo, a legislação 21.233/2022 cria a Rota Turística do Tiro Desportivo no Estado do Paraná, integrada por todos os municípios que dispõem de estandes de tiro desportivo. O objetivo é a promoção e a divulgação dos Clubes e Escolas de Tiro e dos eventos e pontos turísticos dos municípios que integram a rota, e estimular e desenvolver a prática do tiro desportivo no Estado.

Com a lei 19.821/2019, o Litoral do Estado também é beneficiado, com a Rota Turística Caminho Coroados, no município de Guaratuba, que tem como finalidades estimular a visitação pública, contribuir com a preservação do patrimônio natural, promover a educação ambiental, desenvolver o ecoturismo; e estimular a economia local. E com o intuito de incentivar a produção de mel, desenvolver o turismo e gerar emprego e renda, a lei 19.816/2019 instituiu a Rota do Mel da Região Turística do Município de Arapoti.

E o ciclismo também é evidenciado pela legislação. Um dos exemplos é o Circuito Cicloturístico Pé Vermelho, instituído pela da lei 20.673/2021, que estabelece uma rota integrada por trechos e trilhas que englobam as cidades de Jataizinho, Ibiporã, Londrina, Cambé, Rolândia, Arapongas, Tamarana e Marilândia do Sul. Já a lei 21.196/2022 instituiu o Circuito Cicloturístico Entre Rios Noroeste, formado por 23 municípios da região.

Há também a lei 21.195/2022, que instituiu o Circuito Cicloturístico Rio Paraná, formado por 15 municípios, com o olhar para o desenvolvimento dos arranjos produtivos locais e a movimentação da economia dos municípios que margeiam o Rio Paraná. E a lei 20.758/2021 instituiu o Circuito Cicloturístico Quilombos da Ribeira e Parque das Lauráceas, integrando os municípios de Adrianópolis, Tunas do Paraná e Bocaiúva do Sul, e as regiões do Quilombo Córrego do Franco, do Quilombo João Surá, do Quilombo do Marumbi, do Quilombo São João e do Parque das Lauráceas. Além do esporte e da ecologia, a medida visa a valorização da cultura, em especial a de matriz africana nos municípios do Vale da Ribeira.



Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email