sábado, 28
 de 
maio
 de 
2022

Busca por vacina contra febre amarela cresce nos postos de saúde da região

Procura por vacina tem se intensificado por parte de pessoas que irão viajar nos próximos dias. Foto: Arquivo/O RegionalOs frequentes casos de febre amarela em diversas cidades brasileiras vêm preocupando as autoridades e órgãos de Saúde, que estão buscando alternativas para evitar o surto da doença. Na região, as secretarias municipais de Saúde já estão promovendo uma série de ações preventivas junto à população.

Seguindo a orientação da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), os municípios estão disponibilizando doses da vacina apenas para os grupos prioritários, que são crianças a partir dos nove meses e adultos até os 59 anos, além de pessoas que forem viajar para áreas de risco da doença. A vacinação deve ocorrer em, pelo menos, 10 dias antes da viagem.

Em Agudos do Sul, muitas pessoas têm procurado as unidades de Saúde a fim de obter informações sobre a doença, bem como ser imunizadas. “Somente neste mês, foram aplicadas aproximadamente 70 doses da vacina”, conta a coordenadora da vigilância no município, Lucinéia de Camargo.

A enfermeira da Vigilância Epidemiológica de Quitandinha, Mirelly Zetychi, relata que a procura pela vacina no município também vem sendo alta. “Recebemos a orientação do Estado para não fazer campanha de vacinação, apenas direcionar as vacinas para o público alvo. Aqui, está tendo muita procura, principalmente por aqueles que vão viajar para outras estados”, explicou a profissional, apontando ainda sobre o trabalho realizado junto aos munícipes. “Estamos realizando informativos sobre a doença nas unidades de saúde, esclarecendo todas as dúvidas em relação à doença”, finalizou.

Macacos – Outro fator relacionado à febre amarela é a morte de macacos. Porém, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente, estes animais não transmitem a doença, sendo também vulneráveis ao vírus, assim como os humanos, ou seja, adquirem a febre amarela da mesma forma que as pessoas, por meio da picada de mosquitos transmissores infectados. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus, enquanto que no meio urbano, a transmissão se dá por meio do mosquito Aedes aegypti. Caso a população encontre macacos mortos ou doentes, deve contatar imediatamente o serviço de saúde do município.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email