sexta-feira, 22
 de 
outubro
 de 
2021

A região não é uma ilha!

Não deve existir atualmente uma pessoa no país que não tenha ouvido falar da Operação Lava Jato. Trabalho conjunto do Ministério Público, Polícia Federal, Justiça Federal e Receita Federal de combate a corrupção que identificou um “mar” de desvios do dinheiro público. Consequentemente, assistimos as prisões de empresários e políticos que poucos poderiam acreditar.

Tudo isso remete à população local um sentimento de “passar o país a limpo” e início de um novo momento na estrutura pública. No entanto, apesar de todo cenário causado pela Lava Jato, em muitas cidades continuaram existindo práticas distorcidas de gestão pública e defesa dos interesses e necessidades coletivas. Ou seja, o uso do dinheiro público como e não deveria.

Agora, de forma salutar, trabalho realizado pela promotoria do Ministério Público da Comarca de Rio Negro tem demonstrado que a região não é uma ilha. Não queremos com isso dizer que só há erros nas cidades locais, mas sim destacar a importância dessa maior presença dos órgãos de controle, fiscalização e acompanhamento. Nesta semana, por exemplo, este jornal traz uma matéria com base em informações da promotora Gisele Silvério da Silva que identifica a possibilidade de superfaturamento na aquisição de um terreno por parte da prefeitura de Piên. Comprovada ou não, a investigação já demonstra a importância do trabalho da promotoria.

Vale destacar também que a sociedade tem papel fundamental. O trabalho do Ministério Público é, em boa parte, baseado em informações prestadas pela população. O cidadão, diante de uma suspeita de fraude ou ato ilícito, pode encaminhar anonimamente o assunto. Nós somos os principais responsáveis pelo ambiente que vivemos, seja ele uma ilha ou não.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email