sexta-feira, 1
 de 
julho
 de 
2022

A inteligência de uma cidade subestimada

A cidade e a população de Piên vão conviver por muito tempo e provável por toda sua história com o fatídico caso que virou notícia nacional e percorreu todos os cantos do país. O assassinato do prefeito eleito Loir Dreveck e do técnico de segurança Genésio Almeida ganhou um novo capítulo nesta semana, quando um dos principais acusados falou publicamente após mais de um ano em silêncio.

Em entrevista a um canal de TV, numa sala devidamente preparada em algum lugar na capital do estado, o ex-prefeito Gilberto Dranka, que foi preso e depois liberado com monitoramento de tornozeleira eletrônica, declarou que é inocente, e foi além, se colocou como vítima. Nem todo mundo da cidade viu ou ouviu a entrevista, e dos poucos que tiveram conhecimento maioria acabou se manifestando através das redes sociais. O título desse texto, inclusive, é baseado no que acompanhamos através dos comentários que foram postados: A inteligência de uma cidade está sendo subestimada!

Voltando aos assassinatos em Piên, a grande maioria da população não se manifestou e nem vai se manifestar. E há uma razão para isso: o medo. No entanto, os moradores locais conhecem o histórico de todos os envolvidos e, por isso, cada um, dentro de si, já tem uma opinião formada. O que cada cidadão de Piên pensa e acredita sobre esse caso já está estabelecido. Não existirá depoimento, entrevista, contra-versão que mudarão a opinião já definida dos pienenses.

O assassinato de Loir Dreveck foi arquitetado com inúmeros componentes, há muitos detalhes, todos materializados na minuciosa investigação pela polícia especializada, e a execução era tão desejada que custou inclusive uma outra vida inocente, a do técnico de segurança Genésio Almeida. Existem muitas coisas envolvidas e que certamente um futuro breve poderá revelar. Lembrem-se que o Ministério Público vem investigando questões envolvendo a administração local e quem sabe essas investigações possam mostrar o porque do tamanho interesse pelo controle da gestão da cidade.

De qualquer forma, acreditamos que independente dos resultados nas instâncias jurídicas, no seu inconsciente a cidade já formou sua sentença pelos dois crimes. Mesmo que de forma silenciosa, a maioria absoluta da população tem noção da crueldade praticada contra duas vidas, duas famílias e a democracia local.

Portanto, não será esse texto, nem novas entrevistas, nem as postagens das redes sociais, e ousamos dizer que nem mesmo a decisão da Justiça, justa ou injusta, que mudará a opinião e a crença das pessoas de Piên sobre esse triste episódio. As famílias das vítimas e os acusados conviverão para o resto de suas vidas com a compaixão ou o julgamento de cada cidadão da cidade. Querer desafiar a inteligência dessas pessoas é loucura. A essa altura, com tudo que foi apurado e relatado, a cidade já fez seu julgamento. Os envolvidos terão a real percepção dessa sentença quando saírem as ruas ou comparecerem a qualquer evento público. Pode-se até enganar uma, duas ou três pessoas, mas não se engana uma cidade inteira.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email